Etiquetas

,

É raro apaixonar-me depressa por alguma peça de roupa que costure. Há sempre uma espécie de namoro que geralmente tem dois desfechos: fico a adorar o artigo costurado ou simplesmente atiro-o para o fundo do roupeiro. Conseguir gostar de alguma peça de roupa enquanto está a ser costurada é algo tão inimaginável quanto o céu pintar-se de bolinhas azuis e amarelas com riscas verde pistáchio.

Ontem a excepção instalou-se na mesa de costura. Bastou ter unido a saia à parte de cima do vestido e fiquei maravilhada. As linhas simplistas do vestido formam um casamento perfeito com o padrão do tecido que comprei há três anos no IKEA. A C. anda tão extasiada com a história da Heidi, a menina dos Alpes, que começou a pedir um vestido da “Heidi”. O tecido pareceu uma boa opção visto ter um design alpino.

alpin

Agora que o vestido está terminado não consigo ter a sensação de Alpes que pretendia. Tudo no vestido grita influência nipónica (tenho uma paixoneta de longa data pela cultura japonesa). Felizmente, para a C. não há vestido da “Heidi” mais perfeito.

IMG_1607[1]

Advertisements